Uma casa no campo

| 3 Comments

Se eu pudesse ter uma casa de campo, podia ser pequenina, mas teria que estar próxima da praia.

Depois comprava uma bicicleta e ia pedalar… ver o mar, ver o campo, respirar ar puro e sentir a brisa do mar.

Que bom seria poder retirar-me para lá durante o fim de semana, aproveitar os dias soalheiros no inverno para apanhar um pouco de sol, sentir esse quentinho tão aconchegante e poder deliciar-me com o momento.

Queria ler livros (muitos livros), ouvir música (muita música) e estar sossegada, longe do rebuliço da cidade para poder recarregar baterias para  mais uma semana de trabalho.

No verão convidaria os amigos para uma sardinhada e aproveitava para me divertir em grupo, cantando canções ao som da(s) viola(s). Conviveria mais, trocaria ideias. Queria alegrar-me a caminho da praia, caminhar na areia descalça e ouvir os segredos do mar…

Nas noites de luar poderia balançar-me na rede a olhar para a lua e ouvir os grilos a cantar. Nas noites mais escuras poderia ir à procura dos pirilampos. Se os encontrasse quereria fechá-los nas mãos e  apreciar o espetáculo de luz que estas pequenas criaturas (tão especiais) são capazes de nos proporcionar.

Se eu tivesse uma casa de campo, certamente teria um jardim onde nasceriam malmequeres, rosas das mais variadas cores, gerberas, tulipas e (porque não?) orquídeas. Queria ter vasos na janela e um canteirinho de cheiros, especialmente coentros e salsa.

Também queria ter, pelo menos, uma árvore de fruto, para apanhar a sua fruta quando estivesse madura  e deliciar-me com o seu sabor, o sabor da fruta que cresceu e amadureceu sem pressas e sem ajuda de químicos.

E um cão? Sim, também queria ter um cão. Poderia ser rafeiro, mas enérgico. Queria que fosse o meu primeiro aviso de aproximação de alguém, que fizesse o maior “xinfrim” às pessoas estranhas, que parecesse uma fera, mas fosse um doce; que, ao som da minha voz, abanasse a cauda e saltasse de alegria.

Sonhar ainda é de graça… e eu “preciso de espaço para ser feliz; preciso de espaço para ser raiz” (como dizia Vasco de Lima Couto).

Por isso, deixem-me sonhar 🙂

3 Comments

  1. Que lindos sonhos vão nessa cabecinha. Mas sonhar é fácil e por enquanto não paga imposto. Keta vá sonhando sempre que há-de apetecer, porque à medida que o tempo passa, vamos perdendo a capacidade de sonhar…. um beijo

  2. Fazes-me sonhar, fazes-me sentir, sinto-me carente com as tuas palavras de força e de esperança e sentir que tens tudo pare seres feliz. Esse amor próprio reside intensamente no teu coração, capaz de partilhares tudo de bom, tudo o que esta vida te pode proporcionar e ofercer… Em tempos também pensei “assim”, dessa forma, consegui, não tenho tudo, mas tenho esperança, não tenho uma árvore para poder dar fruto… Mas acredito que vou conseguir! Porque também quero partilhar Obrigada Keta pelas tuas palavras, continuo a sonhar.

  3. Tens todo o espaço para seres feliz! Aproveita-o.
    Com praia, areia para caminhar descalça. Vai caminhando suavemente sobre a areia cheia de luz.
    Que são as AMIZADES e as pessoas que te querem bem!….

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.