A morte

| 6 Comments

morteCoisa tão abstrata e concreta, coisa tão pesada e tão leve!…

Todos a temem porque têm medo do desconhecido, ela passa a fazer parte de nós desde o dia em que nascemos, mas ninguém gosta de falar sobre ela, mas fazem muitos «rituais» sobre ela. Porque ela é a mais pura a mais verdadeira a mais sincera, a mais certa.

O que há para lá eu não sei? Mas sei que vou saber (ou talvez não?).

Já estive perto dela, com uma doença «ruim» em que fiquei perto; só que queria sobreviver e ainda aqui estou.

Também já não tive medo dela, e a enfrentei com coragem com duas tentativas de suicídio. Só que me rejeitou (não era a hora).

morte2

Neste texto que estou escrevendo que mais parece uma manta de retalhos, como a nossa própria vida…

Cá a estou esperando (ou ela por mim?). Não como um anjo negro, mas como um anjo branco cheio de LUZ, ou nem que seja o Arcanjo S. Miguel pelo qual tenho um «fetiche».

Bendita sejas, e que mates de vez estes (mortos vivos) que ainda andam aqui.

Para final fica um soneto de Florbela Espanca.

À MORTE

Morte, minha Senhora Dona Morte,
Tão bom que deve ser o teu abraço!
Lânguido e doce como um doce laço
E, como uma raiz, sereno e forte.

Não há mal que não sare ou não conforte
Tua mão que nos guia passo a passo,
Em ti, dentro de ti, no teu regaço
Não há triste destino nem má sorte.

Dona Morte dos dedos de veludo,
Fecha-me os olhos que já viram tudo!
Prende-me as asas que voaram tanto!

Vim da Moirama, sou filha de rei,
Má fada me encantou e aqui fiquei
À tua espera… quebra-me o encanto!

6 Comments

  1. Acho que foste corajoso, não ao enfrentares a morte por duas vezes, isso depende de muitos pontos de vista e esse não é o meu, mas sim ao escreveres sem medo os teus “encontros” e desencontros com a morte.
    Deles, recordo apenas a tua luta, dias e dias com ela, e que cnseguiste vencer.
    Das outras duas, as tais “corajosas”, só soube “a posteriori” e talvez tenha sido melhor ter sabido assim.

  2. Pois é Miguel o texto está muito bem escrito só que o conteúdo “morte” é coisa que a gente fala mas que a queremos sempre por longe, mas sim é a coisa mais certa que temos, já que nascemos.
    Beijinhos Miguel.

  3. Gosto do texto, mas não gosto de lembrar o seu conteúdo. Sofro muito só de pensar o que se passou e o que isso me fez e ainda me faz sofrer. Só quero que cuides de ti e que arranjes força para enfrentares tudo aquilo que a vida te possa vir a dar, quer seja bom ou mau. Eu estarei sempre à tua espera. Um beijo do tamanho do MUNDO.

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.