A Sombra

| 6 Comments

És apenas uma sombra
Uma sombra solitária
Que vagueia sem destino
Uma sombra deformada e triste
Pobre sombra de mim
E de ninguém

És apenas uma sombra
Uma sombra que eu detesto
Por possuir o meu rosto inexistente
O meu olhar vago e cego
A minha boca calada
Os meus lábios cerrados…
Pobre sombra de mim
E de ninguém

És uma sombra
Que caminha quando caminho
Pára quando eu páro
Gesticula quando gesticulo
Não vê quando eu olho
Ficando apática se nada sinto
Pobre sombra de mim
E de ninguém

Os teus passos
São os meus passos
A minha dor
A tua indiferença
O meu semblante
A tua silhueta…

És uma sombra
Com um manto de tristeza infinda
És a sombra que me persegue ainda
E que eu persigo também
És a sombra de mim própria
A sombra de ninguém

6 Comments

  1. Pois é amiga apesar de sermos amigas há tanto tempo não conhecia estes teus “dons”. Escreves muito bem e estes poemas agora são lindíssimos e tocam-nos cá dentro… “És apenas uma sombra”, sim concordo contigo somos apenas uma sombra.
    Beijinhos amiga.

  2. SOMBRA (de Florbela Espanca)

    De olheiras roxas, roxas quase pretas,
    De olhos límpidos, doces, languescentes,
    Lagos de calma, pálidos, dormentes,
    Onde se debruçassem violetas…

    De mãos esguias, finas hastes quietas,
    Que o vento não baloiça em noites quentes…
    Nocturno de Chopin… risos dolentes…
    Versos tristes em noites de Poetas…

    Beijo doce de aromas perturbantes…
    Rosal bendito que dá rosas… Dantes
    Eu era Eu e Eu era a idolatrada!…

    Oh! tanta cinza morta… o vento a leve!
    Vou sendo agora em ti a sombra leve!
    De alguém que dobra a curva de uma estrada…

  3. Estou muito orgulhosa de ti Vina, eu já sabia que escrevias bem, tenho muita escrita por ti…..mas nunca me apercebi a dimensão de tudo que escreves, tudo tão natural, simples e muito bom. Parabens, continua, eu sempre que seja possivel venho dar uma olhadela.
    Beijo Kikas

  4. Bonito Poema, Vina. De facto todos temos na vida sombras que nos incomodam, martirizam e por vezes não nos deixam esquecer coisas que já não queremos lembrar. Mas no que me diz respeito, custa-me mais ser eu a sombra, ser tratada como tal, ignorada como uma simples e indiferente sombra… Um beijinho Vina e continue a escrever coisas assim tão bonitas.

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.