A horta

| 1 Comment

Na face da minha alface,
plantei uma couve que não me ouve,
que não me escuta.

Nasceu cicuta.
Que não mata.
Que não me ata.

E quando aberta,
me liberta.
Mas… estou alerta.

One Comment

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.