Um anjo

| 1 Comment

Olhaste-me naquela esquina de rua!… Com medo, com desdém, com repulsa, com deprezo. Viste em mim um desgraçado, um sem abrigo, um drogado e bêbado, um homem sem perspectivas.

Mas não!… Eu apenas tinha um sonho, ser um anjo, um santo, ou sei lá?…

Apenas estava alí numa circunstância sensível, sensual, essencial.

Um homem apenas a celebrar as contradições. Parecendo que dando valor e força às criaturas, e apenas a desvalorizar o que as enfraquece. Um homem de génio desconhecido a gozar a volúpia suave do contraste entre a obscuridade e o seu génio. Tentando descobrir a magía desde o início dos tempos, o segredo da vida eterna, o elixir da vida; que nunca morrendo passa de época através dos ciclos e das civilizaçôes…

Apenas um homem com um impulso vital, para apagar as lágrimas, a pouco a pouco, os remorsos adiados, as angústias, as surpresas da vida. Querendo eu ser sempre um anjo…

Mas tu!… Ao voltares para trás, que me viste com outros olhos; tu é que és um anjo.

One Comment

  1. Nas nossas vidas existe sempre um Anjo que olha para trás e nos ajuda a seguir. Tu meu querido Mano, sabes que apesar de tantos desaires que têm assolado as nossas vidas há sempre um Anjo que nos ajuda. Bjocas

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.