Há coisas que eu não entendo

| 2 Comments

casamentoO Governo de Bagdad apresentou ao Parlamento um projeto de lei que pretende legalizar o casamento de crianças, sustentado nos preceitos rigorosos da lei islâmica “A Sharia”. Esta lei permite que meninas se possam casar em qualquer idade e autoriza o divórcio aos nove anos, para que estas se possam juntar a outro cônjuge.

Para mim, isto é impensável, é o mais absurdo dos absurdos.

Mesmo sendo uma doença, tenho muita dificuldade em compreender (não compreendo) a pedofilia, quanto mais a sua legalização.

Apesar deste projeto ter sido apresentado pelo primeiro-ministro do Iraque, Al-Maliki que procurou, assim, conquistar o apoio do partido radical xiita Fadhila, não acredito que o mesmo venha a ser aprovado.

E se o for, o mundo está muito doente, os direitos das crianças não existem e os direitos humanos também não.

Não há crenças, nem religiões, nem tradições, que possam defender o indefensável.

Já é hora de lutarmos ferozmente (digo bem, ferozmente) contra os abusos de qualquer espécie ou natureza. O ser humano pensa, tem raciocínio, tem consciência, tem bom senso… só por isso se distingue dos outros animais. E se assim não fosse seria “a besta”. Estes actos são bárbaros, inumanos, obscenos, cruéis. Não se rouba assim a inocência, nem a alma, nem a vida, nem o amor, nem a fé…

Quantos mais séculos teremos que lutar para acabar com isto?

Ou o mundo está muito errado ou eu estou errada no mundo.

2 Comments

  1. O que me parece é que estamos lidando com concepções entre culturas totalmente diferenciadas. No Egito antigo, o casamento entre crianças era a prática. Hoje, no mundo ocidental, repudiamos, com razão e com base científica e moral, esses costumes. Na nossa civilização, sob o nosso Direito, compartilho da sua indignação: deixemos crescer a criança!!

  2. Neste Mundo em que vivemos, tudo é um absurdo!…
    Só alguns conseguem entender, ou deixar de querer entender. Deixando tudo correr com a «evolução» …..
    Só que o ser humano é a própria «BESTA».

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.