Amour

| 0 comments

Que dizer sobre este Amour? Michael Haneke não pára de surpreender. Era impossível superar “Laço Branco” (pensava eu!). Amour é um filme completamente arrebatador, de uma tristeza e angústia infinitas. Porém, talvez a história de amor mais bonita que tive o privilégio de assistir no mundo “imaginário” do cinema. Imaginário, entre aspas, porque a ficção confunde-se, na sua maioria, com a realidade.

Haneke filma cada pormenor com uma crueza assustadora, sem pudor e sem qualquer tipo de artifícios. Afinal, a velhice é isso mesmo; a decadência do ser humano, o regresso (imposto) à forma de bebés, em que todos precisamos que cuidem de nós. E aqui cuidam…

Georges, confrontado com a doença da sua mulher, Anne, fecha-se no espaço só deles, repleto de memórias e interdito a todos os outros. O mundo lá fora não importa.

Jean-Louis Trintignante Emmanuelle Riva são algo de transcendental!

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.