Levei-te para lá…

| 10 Comments

mae

Levei-te para lá para que não te perdesses. Porque conhecias as ruas, as oliveiras, as pedras, as cerejeiras, os lameiros, o rio, os castanheiros, as fontes, os sobreiros, todos os carreiros… e porque a terra era a tua.

Levei-te para lá para te saber em casa, junto da tua gente, onde tudo te é familiar. Conheces as casas, as pessoas e os lugares. Levei-te para lá com medo que te perdesses.

Desculpa este pensamento humano. Ainda te vejo com o corpo que te cobriu todos estes anos. Mas, sim, sei que não estás naquela campa… lá só existe a matéria que despiste, porque a tua essência, mãe, voou quando a morte te ceifou.

Quero acreditar que não estás confinada ao espaço que ocupas na terra, que te libertaste das amarras que te tolhiam o andar, do carrego do corpo, das paredes da vida. Quero acreditar que o teu horizonte é mais vasto, não tem barreiras nem fronteiras… que voas para todo o lado à velocidade da luz. Encontrar-te-ei no vento, no ar, no cintilar de uma estrela, na frescura das manhãs, no sol, nas ondas do mar, no universo, nas noites de luar.

E hei-de sentir-te, sentir-te perto, sentir-te junto, sentir-te dentro. A vida acabou, minha pequenina, mas o meu amor por ti não morreu. Estarás sempre comigo do lado de dentro de mim, em todos os cantos de mim, na abstração do corpo, na ausência do gesto, no silêncio das palavras.

Tu não morreste! Tornaste-te eterna, mãe!

10 Comments

  1. Vina, tenho tentado varias vezes ler este lindo momento, so hoje consegui ir ate ao fim, muitas lagrimas muitas mesmas mas cinsegui ler. Nao te dou Parabéns digo-te apenas isto: A candidinha merece tudo isto e muito mais. …ela e eterna assim como minha mãe é, ambas estão em meu coração. Tive uma mãe maravilhosa e tive a Candidinha que me deu conforto muito mesmo. Duas mulheres que Amo elas sabem isso e estão olhando por mim. Obrigada a ti Vina pelas palavras dedicadas a tua mãe . 🙁 beijo kikas

    • Obrigada também a ti, Kikas, que estiveste presente nas horas difíceis e foste testemunha de muitas outras horas. Sei que me entendes e divides comigo, assim como divido contigo, esta dor indivisível.

  2. Querida Salvina, confesso que à medida que ia lendo o seu testemunho as lágrimas foram inundando o meu rosto. Um dos textos mais bonitos que li na minha vida! Um amor destes deveria ser experienciado por todos os seres humanos. Este é um dos casos raros em que a dedicação, ternura, carinho, afecto e tantos outros adjetivos, é uma realidade concedida apenas àqueles que são Grandes! Um beijo.

    • Sempre soube que esta seria a minha perda maior. Pensei muitas vezes que deveríamos acabar juntas para que nenhuma de nós sofresse o a ausência da outra. Pela lei natural da vida, ela partiu antes de mim… também morri um pouco… ainda não sei quanto. Se o tempo ajuda, só espero que passe depressa.

  3. Maravilhosa a forma como expressas todo o Amor que tens e sempre tiveste por essa Grande Mãe que foi a tua. Decerto ela jamais se vai perder, pois do pouco que privei com Ela, deu para ver que era uma pessoa Inteligente, doce, calma e que amava as sua origens. Concordo com o teu Amigo Amaro Frutuoso, quando diz que que gostaria de ter uma Filha assim. Eu Também. Que o Anjo que a levou em suas asas , a acolha com o Amor e o carinho que ela Merece. Vamos sempre lembrar a nossa Candinha, e sei que a sua doçura está lá bem alto a olhar por todos aqueles que ela amava. Um beijo grande para ti querida Amiga, que sei que és uma GRANDE MULHER……..

    • O amor é doce, mas pode tornar-se amargo. Estou grata por tudo o que recebi dela ao longo dos anos, por todos os cuidados, por todas as palavras, por todo o amor, por toda a abnegação. Foi mãe e tornou-se filha. Compreendi os seus papeis, as suas fragilidades, as suas fortalezas, o amor infinito que sempre a ligou aos filhos. Foi pequenina e grande, em simultâneo. Protegi-a nos meus braços, nos meus abraços… ela já não precisa de mim, eu continuo a precisar dela. Nunca a esquecerei. Obrigada pelo apoio, Gracinha.

  4. A essência não foi!…
    Ficou dentro do nosso sentir, que gostavamos d’ELA e… a entendíamos.

  5. Conheci esta mãe. Sempre a vi com um sorriso, que parecia disfarçado e enganador. Um sorriso de quem sofre em silêncio, mágoas domésticas, que queria dar a perceber que tudo está bem, queria dar a entender que tudo corria ás mil maravilhas.

    Mas depois da tempestade… vem a bonança. Deixou-nos, sei que isso aconteceu, rodeada de tudo de bom que ela bem merecia, em especial o melhor que podemos ter: o carinho, o amor de uma filha bondosa e grata, que com nada lhe faltou, as ruas, as oliveiras, as cerejeiras, etc. da sua infância. Como deveria ter partido feliz!!!

    Nos tempos que correm, quem me dera ter uma filha assim!!! Desculpem a sinceridade, tenho inveja, por não a possuir.

    Deus misericordioso, deu-lhe em prémio, em troca de tanto sofrimento, um lugar no Seu Reino.

    Curvo-me respeitosamente, perante uma mãe corajosa e sofredora.

    Aos familiares, em especial à filha bondosa e grata, apresento os meus cumprimentos de pesar.

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.