A lata da costura

| 4 Comments

IMG_1042Abri a lata de costura onde jazem os teus objetos. Carrinhos de linhas de várias cores. Uma almofadinha de pano com meia dúzia de agulhas de diferentes tamanhos e espessuras. Duas agulhas de crochê. Uma infinidade de alfinetes, uns de cabeça, outros de ama. Colchetes (para que quererias tu os colchetes?). Um fecho éclair já usado e outro ainda novo. Elástico. Três pequenos envelopes de cartão com botões de diversas cores, dimensões e feitios. Uma tesoura e o dedal que usavas no dedo médio (não te ajeitavas sem ele). Coisas sem importância, coisas tuas, miudezas que agora são relíquias.

Na lata de costura vi as tuas mãos ausentes a costurarem a vida. Em tudo o que tocaste deixaste as impressões digitais dessas mãos pequenas, enrugadas, mansas e macias, que tanta falta me fazem.

De entre todos os botões não encontrei nenhum do esquecimento, daqueles de desligar. Nem linhas que me cosessem as feridas. Nem remendos para a alma.

Porquê?

4 Comments

  1. Na lata da costura há sempre um botão esquecido e lindo….
    É só preciso saber pregá-lo e onde?….

  2. Tão doce, Vina. Eu sei, porque já fiz isso. Já abri a Caixa da costura da minha Mãe, e senti precisamente o mesmo que tu. Ainda guardo a tesoura, a almofadinha das agulhas, o OVO, nem os remendos para a alma. Isso é um trabalho que iá ficar inacabado até
    ao nosso ultimo suspiro. Um grande beijinho e obrigada pelas maravilhas que escreves.

    • Uma caixa de costura que não serve para costurar as minhas feridas. Mas saber que as suas mãos tocaram tudo aquilo, dá-me um certo conforto. Um beijinho e obrigada pelo comentário.

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.