19 de Junho de 2018
by Salvina
2 Comments

Uma flor…

Uma flor, uma pequena flor, uma única flor, uma flor… Olá, branca flor. Esperava-te, mas não sabia se virias. Afinal, esperamos tanta coisa que não vem… Mas vieste. Sabias que és linda e que quando os meus olhos te viram … Continue reading

7 de Maio de 2018
by Salvina
0 comments

Pardais em Lisboa

Ontem, ao final da tarde, senti o pulsar de Lisboa numa esplanada da Rua dos Bacalhoeiros, junto à Casa dos Bicos (Fundação José Saramago), a beber coca-cola e a ouvir o chilrear dos pardais. Pardais em Lisboa? Há-os aos montes. … Continue reading

3 de Março de 2018
by Salvina
2 Comments

Pó de borboleta

Os miúdos gostam de campo, não gostam de prédios. De prédios só gostam de elevadores, que são os carros dos prédios, para andar para cima e para baixo. As crianças precisam de espaço para gozar de pequenas liberdades: chapinhar nas … Continue reading

14 de Fevereiro de 2018
by Salvina
2 Comments

O tomateiro

Não tenho terra para fazer uma horta. Moro num terceiro andar e tenho uma varanda onde o vento bate forte e as plantas se enchem de pequenos bichos que não consigo combater. Em vasos plantei roseiras: uma vermelha e outra … Continue reading

25 de Julho de 2017
by Salvina
0 comments

Esse homem é meu!

Ontem fui a um Restaurante africano com algumas amigas. Havia música ao vivo e, logicamente, dançámos ao ritmo do semba, de música pimba portuguesa e de temas brasileiros. Em determinado momento, apagaram-se as luzes e cantaram-se os parabéns. Estava na … Continue reading

15 de Março de 2017
by Salvina
4 Comments

Brincando com Ninguém

Ninguém brinca comigo e eu brinco com Ninguém. Eu conheço Ninguém e Ninguém me conhece. Ninguém entende muita coisa e Ninguém entende nada. Ninguém sabe tudo e Ninguém sabe nada. Ninguém conta tudo e Ninguém conta nada. Ninguém tem poder … Continue reading

9 de Janeiro de 2017
by Salvina
3 Comments

No jardim

Procuro um banco para me sentar. No primeiro está sentado um casal de namorados que, alheio a tudo o resto, se beijam repenicadamente como dois passarinhos a arrulhar. No próximo estão sentados dois rapazes à conversa. A seguir uma rapariga … Continue reading