25 de Julho de 2017
by Salvina
0 comments

Esse homem é meu!

Ontem fui a um Restaurante africano com algumas amigas. Havia música ao vivo e, logicamente, dançámos ao ritmo do semba, de música pimba portuguesa e de temas brasileiros. Em determinado momento, apagaram-se as luzes e cantaram-se os parabéns. Estava na … Continue reading

15 de Março de 2017
by Salvina
4 Comments

Brincando com Ninguém

Ninguém brinca comigo e eu brinco com Ninguém. Eu conheço Ninguém e Ninguém me conhece. Ninguém entende muita coisa e Ninguém entende nada. Ninguém sabe tudo e Ninguém sabe nada. Ninguém conta tudo e Ninguém conta nada. Ninguém tem poder … Continue reading

9 de Janeiro de 2017
by Salvina
3 Comments

No jardim

Procuro um banco para me sentar. No primeiro está sentado um casal de namorados que, alheio a tudo o resto, se beijam repenicadamente como dois passarinhos a arrulhar. No próximo estão sentados dois rapazes à conversa. A seguir uma rapariga … Continue reading

10 de Novembro de 2016
by Salvina
2 Comments

O crucifixo

Gostavas de tê-lo junto ao teu coração e pregaste-o com um alfinete ao teu sutiã. Mas era grande e pesado. O médico pediu-te que o tirasses. Ralhou-te depois por o não teres feito. A ele e a mim fizeste ouvidos … Continue reading

27 de Setembro de 2016
by Salvina
3 Comments

Um homem diferente

Conheci-o quando morava em Luanda. Ele ocupava os anexos da casa onde eu vivia. Chamava-se Sérgio. Eu chamava-lhe Senhor Sérgio. Quando o vi pela primeira vez, senti um arrepio a percorrer-me a espinha. Era um homem pequeno, cujos braços lhe … Continue reading

19 de Julho de 2016
by Salvina
3 Comments

As pedras da gruta

Pedras grandes, Amontoadas De velas e rezas regadas Pedras de culto, sagradas. Pedras sobre pedras Juntas, ligadas, encaixadas, Feitas altar De pedir, de dar E de rezar Meus pés descalços Subiam pedras, Pedras no tempo, Do outro tempo que já … Continue reading

19 de Maio de 2016
by Salvina
2 Comments

Os irmãos…

Depois de oito anos sem ver a minha irmã mais nova, eis que ela vem a Portugal no próximo verão. Precisava de um acontecimento como este para poder desviar-me de pensamentos tristes que todos os dias me assaltam. Logo que … Continue reading