Cruza e Descruza

Ora aqui, minha amiga, que pus eu a minha lucidez em ação, para recordar todas as lembranças e memórias que ainda preservo.

Quando em crianças nós duas, e nossos irmãos mais novos, brincávamos na nossa infância.

Gosto de ti amiga, como a chuva nos beirais, como o cheiro do restolho que o teu pai queimava. Também me lembro dos porquinhos que o Senhor teu pai  cuidava, e das rosas bravas (que era o nome da tua querida Mãe). A estrada para os Canaviais que como trilho nos encaminhava até à Quinta, em que os nossos irmãos namoravam na pureza e ingenuidade de crianças.

Todas as coisas se cruzaram e descruzaram nas nossas vidas, com o tempo que vai passando. Com encontros e desencontros, como se a nossa história fosse um conto ou vários contos.

Agora!…  num eventual “descruzar”… já me dói cá dentro, do fora da tua vida que tenhas que percorrer.

Mas!… mesmo assim, independentemente do espaço, há sempre uma coisa que nos une: as nossas memórias, as nossas cumplicidades e todo o carinho que nos envolve.

Não te afastes de MIM, preciso de TI.

Gosto de ti minha querida AMIGA.

Até já…

(Autoria: Gracinha Figueiredo)

3 Comments

  1. É tarde! Não para mim que gosto da noite.
    E numa breve incursão por este blogue, onde vou encontrando alguns bons textos, deparei-me com um que me diz ,diretamente, respeito .

    É verdade minha amiga. O tempo ainda não se cansou de cruzar e descruzar os nossos caminhos. E agora, neste descruzar em que nos encontramos, tenho a certeza que tudo faremos para que a nossa longa amizade vá cruzando as nossas vidas.

    Não preciso de te dizer, tu sabes que te amo muito.

    Beijos

    • Minha querida Amiga, neste momento da minha vida, não consigo dizer-te algo mais, a não ser que a cada dia que passa sinto a tua falta, choro muito mas não vislumbro nada que chegue áquilo que perdi. Amo-te muitoooooo.

  2. Na «vida» quando se cruza e descruza, os caminhos já não são iguais. São apenas pontos de encontro.

Deixar uma resposta

Required fields are marked *.