Fado esquecido

Não quero a luz que me dói
nem o tempo já perdido..
Nem o escuro que me rói
dentro do meu fado esquecido.

Tenho as sinas já traçadas,
na palma da minha alma.
Tenho as mortes acabadas.
num rumor que me acalma.

Não quero a luz que me dói
nem o tempo já perdido.
Nem o escuro que me rói
dentro do meu fado esquecido.

Quero rosas em minhas mãos,
quero o trinar das guitarras….
Soando em amores vãos,
um amor como garras.

Apenas quero lembrar,
todo o perfume perdido.
Cantando á luz do luar,
Este meu fado esquecido.

Auroria: Gracinha Figueiredo

One Comment

  1. Mana!… Tens jeito para fazer poesias, e letras para «FADOS»… hihihi…..

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.